Notícias



Momento musical e cultural de celebração da Liberdade teve lugar no passado dia 1 de maio, no auditório da Loja Interativa de Turismo, integrado nas comemorações do 45.º aniversário do 25 de abril em Arouca.

A evocação da data foi feita logo na apresentação do espetáculo, após declamação de "Não há machado que corte a raíz ao pensamento" (Carlos de Oliveira), por Maria Antónia Brandão:

Em 25 de Abril de 1974 muitos dos presentes ainda não tinham nascido ou eram crianças. Grande parte das suas vidas passou-se com um regime democrático instituído, o que se deve a esse dia inicial e fundador que comemoramos e que é pertença de todos nós.

Data fundadora, porque passadas as convulsões próprias de uma mudança de regime, realizaram-se eleições livres, em que tantos portugueses, homens e mulheres, votaram pela primeira vez. Iniciou-se um programa de descolonização, democratização e desenvolvimento. Foi então eleita uma assembleia constituinte cujos trabalhos culminaram na aprovação da constituição da república que ainda hoje nos rege. O sistema de democracia representativa de base parlamentar ali consagrado garantiu a estabilidade das instituições, permitindo a natural alternância democrática.

Data fundadora porque trouxe a democracia e a liberdade e tornou-nos cidadãos de pleno direito, cidadãos livres num país livre. E é aqui que tudo começa porque a democracia e a liberdade não são projetos acabados. São vivência e empenhamento e responsabilidade. Porque somos livres podemos fazer escolhas. Podemos votar, ser agentes de mudança, intervir, ter um papel ativo na transformação da sociedade. Dia fundador, ainda, porque Portugal reduzido à sua dimensão europeia iniciou um novo período da sua história.

E Portugal desenvolveu-se, construíram-se vias de comunicação, os cuidados de saúde melhoraram, a mortalidade infantil diminuiu para níveis inferiores aos da média europeia, a habitação própria cresceu, aumentou a escolarização, hoje vivemos melhor, hoje temos mais. Alguns ainda, de menos, fruto de uma desejável igualdade de oportunidades não plenamente conseguida; outros, às vezes, demais, frequentemente trocando o ter pelo ser, levados por um consumismo fácil e imediato que afasta de valores essenciais. Dir-se-á que nem tudo está bem, o que é verdade, mas porque existe democracia e liberdade podemos lutar por aquilo em que acreditamos.

Tudo isto justifica a comemoração que hoje fazemos, uma co-organização do Círculo Cultura e Democracia e da Câmara Municipal de Arouca, em parceria com a Escola Secundária de Arouca, o Grupo Coral de Urrô e a Banda Musical de Arouca, que incluiu uma parte festiva e musical e também composições de poetas portugueses que celebram os valores da liberdade e da democracia. Um programa que é memória e alegria e também a esperança, que a participação dos jovens nos traz, de que os valores da democracia e da liberdade sejam interiorizados e se tornem essenciais nas suas vidas, para que os dias a vir sejam como diz a poeta, mais “inteiros e limpos”.
1dscf3920dscf3957Fotos: CMA

Além de Carlos de Oliveira, Sophia de Mello Breyner, Jorge de Sena, Manuel Alegre e Miguel Torga, foram os poetas revisitados. A recitar os poemas estiveram os jovens estudantes Alice, Ana Alexandre, Carla e Diogo, com coordenação da professora Marta Brandão.

O Grupo Coral de Urrô, sob direção de Paulo Bernardino, interpretou José Afonso (Milho Verde e Achégate a mim Maruxa) e Abba (Mamma mia), seguindo-se o decateto de sopros da Banda Musical de Arouca, dirigidos por Ivo Silva, com Émile Bernard (Divertissement, Opus 36, 2.º andamento). Água de Beber (Tom Jobim) foi um dos temas interpretados pelo grupo coral e pelo grupo de câmara, com um arranjo de Luís Brandão para o conjunto instrumental e polifónico. A incontornável Grândola Vila Morena encerrou o espetáculo, sob o arranjo de Miguel Brandão, e que convidamos todos a assistir através do registo vídeo (link abaixo).


"Grândola Vila Morena", interpretada conjuntamente pelo Grupo Coral de Urrô e pelo Decateto de sopros da Banda Musical de Arouca | Clique aqui para ver o registo vídeo

Alguns registos fotográficos | Clique aqui

Referência nos Media:
Música e Poesia pela Liberdade, blogue Do meu mirante



Destaques

RECITAL VIOLINO E PIANO”

Blog do Meu Mirante


"V Jornadas: Ciência e Ética uniram estudantes e investigadores”

Roda Viva Jornal


"Não haverá por aí ninguém que possa pôr ordem nisto”

Manuel Brandão Alves,
Roda Viva Jornal

MÚSICA E POESIA PELA LIBERDADE”

Blog do Meu Mirante

Arouca debate “A Floresta de que precisamos”

Roda Viva Jornal

"Conferência em Arouca: «o investimento nas artes não é um investimento nos artistas, mas sim no público»"

Roda Viva Jornal

"IV Jornadas de Ciência (II): Arouca é laboratório vivo"

Roda Viva Jornal

"Projectos dos alunos estiveram em foco nas IV Jornadas de Ciência de Arouca"

Roda Viva Jornal

"Lendas e Histórias de Arouca"

Discurso Direto

"II Jornadas da Floresta em Arouca"

Gazeta da Beira

"Tertúlia do 'Círculo' abordou em Arouca o ensino do futuro"

Roda Viva Jornal

"DOIS ANOS A PROMOVER CULTURA E DEMOCRACIA EM AROUCA"

Do meu mirante

"Investigadores partilham ideias de sustentabilidade em Jornadas das Ciências Sociais em Arouca"

Porto Canal

"JORNADAS DE CIÊNCIA DE AROUCA"

Do Meu Mirante

"Jornadas de Ciências Sociais cumpriram primeiro dia"
"Poesia fechou as Jornadas de Ciência"

Roda Viva

Videogravações das Jornadas da Floresta'17

Registo do último Serão do Círculo por alunos de Multimédia


"Dois violinos no Mosteiro"

Roda Viva

"Diálogos Musicas no Mosteiro de Arouca"

Do meu mirante

"Círculo Cultura e Democracia leva iniciativa a Santa Maria do Monte"

Roda Viva

"COMO HABITAR A TERRA E MERECER O FUTURO"

Discurso Direto

"Desenvolvimento não é sinónimo de crescimento"

Roda Viva Jornal